África continua a região mais desnutrida do mundo; Brasil vira exemplo de combate à fome

África continua a região mais desnutrida do mundo; Brasil vira exemplo de combate à fome

Nunca se produziu tanto alimento quanto em 2014. Apesar disso, 805 milhões de pessoas ainda não têm acesso à uma alimentação digna e estão subnutridas, segundo o relatório anual da ONU sobre a fome no mundo em 2014.

DSC_0289
Meninos na pausa para o almoço em um escola na Tanzânia, em 2013. Merenda é garantida por meio de um programa insipirado no Fome Zero do Brasil.

Foi apresentado nesta terça-feira (16.09), em Roma, na sede da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), o relatório anual sobre a fome no mundo em 2014. A apresentação este ano foi antecipada para que, na próxima semana, os resultados possam ser divulgados durante a Assembleia geral das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Nunca se produziu tanto alimento quanto em 2014. Apesar disso, 805 milhões de pessoas ainda não têm acesso a uma alimentação digna e estão subnutridas. A situação paradoxal afeta principalmente as populações nos países em desenvolvimento, que concentram 791 milhões dos subnutridos.

África desnutrida: o caso dos PALOP

Somente na África, são 226 milhões os subnutridos, o que representa 22% da população do continente. Numa caminhada contrária ao resto do planeta, o número de pessoas famintas na África tem aumentado desde 1990.

Para se ter uma ideia, somente, Angola e Moçambique somam 11 milhões de subnutridos. Apesar de Angola ter alcançado a meta do desenvolvimento do milénio ao reduzir pela metade a proporção de pessoas subnutridas, atualmente 4 milhões de angolanos não conseguem comer com dignidade. Um sinal claro de que a desigualdade social é um fator que impede o desenvolvimento pleno do país. Em mais de 20 anos de luta contra a fome, Moçambique reduziu a proporção da população subnutrida em 50%, caminha para atingir a meta de desenvolvimento do milênio, mas continua a ser pátria de 7 milhões de subnutridos.

A redução da pobreza e da percentagem de pessoas com fome é também bastante visível outros PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa). Na Guiné-Bissau, a descida é menos significativa: apenas 23,5%, correspondente à redução da fome na população.

Em Cabo Verde, a redução é de 38,9%, equivalente à descida na percentagem da população com fome de 16,1% em 1990 para 9,9% este ano. Em São Tomé e Príncipe, a percentagem de pessoas malnutridas desceu de 22,9% para 6,8%.

O  diretor geral da FAO, José Graziano da Silva, traça um rápido panorama de alguns obstáculos que fazem com que África hoje, infelizmente, esteja a perder a luta contra a fome.

“Nós vemos hoje que ainda há muitas limitações estruturais para os investimentos privados na agricultura africana. Eu começaria pela instabilidade político-social, e o conflito que existe em boa parte dos países da região. Ninguém vai investir num país com instabilidade política e social. Porém, temos visto que os governos não têm dedicado recursos suficientes para prover a infra-estrutura necessária para o desenvolvimento das áreas rurais. Sem infra-estrutura, também, o setor privado não vai investir na agricultura dos países africanos.”

Apesar da falta de estabilidade e infra-estrutura, alguns países africanos são modelos a ser seguidos, lembra o diretor-geral da FAO. “Eu destacaria o Gana e o Malawi, que apesar de todas essas adversidades, conseguiram dar um avanço significativo na redução dos subnutridos.

O exemplo do Brasil

As políticas públicas de combate a fome no Brasil ganharam capítulo especial. O país não somente atingiu a meta de desenvolvimento do milênio (diminuir pela metade a proporção de pessoas que passam fome até 2015) assim como o objetivo mais árduo estabelecido pelo World Food Summit em reduzir pela metade o número absoluto de pessoas que passam fome.

“Particularmente, no caso do Brasil isso chama muito a atenção. O Brasil, por ter 200 milhões de habitantes, puxa os números [da América Latina] e o que nós vimos no Brasil durante toda a década passada, a partir do ano 2000, foi um forte decréscimo no número de pessoas subnutridas. Se tomarmos os triênios a partir de 2002, o decréscimo é de -1,7%, em 2005-2007, passa a -5%, mantém-se em -5% em 2009-2012 e aumenta para -5,1% no período recente, de 2011-2013”, finalizou o diretor geral da FAO, José Graziano da Silva.

Links originais: DW e RV

Anúncios

“Não falta dinheiro para o desenvolvimento da agricultura em Angola”, diz chefe do IFAD

“Não falta dinheiro para o desenvolvimento da agricultura em Angola”, diz chefe do IFAD

Nigeriano Kanayo Nwanze concedeu entrevista à DW África sobre a sua última visita à Angola. Para ele, a falta de investimentos faz com que metade dos alimentos consumidos em Angola sejam importados.

Após a sua primeira visita oficial a Angola, no início de Março, o presidente do Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura (IFAD), Kanayo Mwanze, já tem uma convicção.

“Atualmente, somente 2% do orçamento de Angola é aplicado em programas para o desenvolvimento da agricultura. Diante dessa falta de investimento, não surpreende que mais de 50% dos alimentos consumidos em Angola sejam importados”, afirma.

O chefe do IFAD diz que não falta dinheiro em Angola para o desenvolvimento da agricultura. Para ele, a desigualdade social que hoje assola o país é consequência parcial da guerra.

“[O baixo investimento na agricultura] reflete diretamente nos contrastes sociais, com preços inflacionados que fazem de Luanda uma das capitais mais caras e desiguais do mundo”, afirma o nigeriano.

Problema identificado

Ele ressalta que existem recursos para transformar essa realidade. Faltaria capacitação. Basta lembrar, conforme Nwanze, a vocação rural que Angola tinha antes da guerra.

“O governo reconhece a importância da agricultura. E quer usar os recursos que estão sendo gerados por meio da indústria extrativista – petróleo e diamantes – para financiar a agricultura”, diz o presidente do IFAD.

Nwanze: “é necessário recuperar vocação de antes da guerra”

Nwanze acrescenta que o mais importante é o poder público incentivar “capacitação para instituições e pessoas, além de promover investimentos maciços para o desenvolvimento rural”, afirma.

Antes da guerra, Angola era quase auto-suficiente na alimentação. Mantinha produções importantes de cassava e coco. A guerra não somente destruiu todas as plantações, mas também resultou em uma grande migração das zonas de plantio para as cidades.

Segundo Nwanze, se o país conseguisse revitalizar esses sistemas alimentares, ao menos seria capaz de reduzir as despesas de importação.

“Penso que isso é essencial. Mais importante do que a competitividade no mercado internacional é a produção de alimentos suficientes para que a agricultura não seja somente de subsitência, mas que os agricultores possam alimentar suas famílias e comercializar o excedente”, opina.

Capacitação disponível

Ele insiste que, se houver investimento de massa na agricultura, em 10 anos, Angola terá mudado, mas é preciso manter uma visão de longo prazo para que isso aconteça”, adverte.

Nwanze diz que ouviu durante encontros com representantes do Banco para o Desenvolvimento de Angola (BDA), que “dinheiro não é problema.”

Kanayo Nwanze

“Angola tem dinheiro, não há dúvidas sobre isso. Minha discussão com o diretor executivo do BDA foi para saber como se pode capacitar o banco para que consiga avaliar propostas, ter pessoas para planejar e supervisionar os projetos.”

O IFAD poderia atuar exatamente nesta área, segundo Nwanze. Poderia proporcionar “treinamento ao pessoal no próprio país ou em Roma para ajudar a criar as instituições nacionais”, diz.

Atualmente, o IFAD apoia o desenvolvimento da agricultura em Angola, junto com o Banco Mundial, na chamada “Agricultura Familiar Orientada ao Mercado”. O financiamento do programa é de 50 milhões de dólares, dos quais 9 milhões provêm do fundo internacional.

A partir de Setembro deste ano, um novo projeto voltado à pesca artesanal deve entrar em vigor, mas ainda depende de financiamento.

“Não falta dinheiro para o desenvolvimento da agricultura em Angola”, diz chefe do IFAD

A DW fecha Português para África

A DW fecha Português para África

(Primeiro post deste ano de 2014 é uma notícia que nenhum de nós da redação Português África da DW gostaria de publicar. A África lusófona vai a escanteio todavia há sinas de abertura para um diálogo antes do iminente fim das transmissões, em 2015.)

A direção da DW decidiu terminar as emissões em Português para África e a respectiva presença online. As mudanças terão efeito no dia 1 de janeiro de 2015.

A decisão foi anunciada pela DW num comunicado de imprensa no dia 20 de janeiro de 2014. “A DW vai eliminar os serviços em Bengali e Português para África”. Outras línguas como Francês para África terão serviços reduzidos. Está prevista “uma concentração nas ofertas em língua inglesa e em serviços em línguas regionais que têm sucesso.”

A DW pretende expandir o seu canal televisivo em inglês com as poupanças, explica o comunicado de imprensa. “Os planos preveem que a DW esteja presente no futuro com uma oferta mundial forte em inglês. Em termos regionais o foco será a Ásia – com o Afeganistão, a China e o Irão como mercados prioritários -, África, o mundo árabe, a Rússia, a América Latina, a Turquia e os países europeus em crise.”

Os membros da redação portuguesa deverão ser transferidos para outras redações, lê-se no comunicado. “A competência regional da redação Português para África deverá ser mantida com a transferência de jornalistas que devem reforçar o serviço em inglês para África. A competência pela língua portuguesa deverá ser integrada na redação europeia e eventualmente também na redação Português para o Brasil.”

Pode comentar a decisão na página da DW África no Facebook ou deixar uma mensagem por email ao afriportug@dw.de

África parte 1: Tanzânia

Recentemente, de novo me aventurei em terras africanas. Desta vez o destino foi a Tanzânia e o Malauí. Antes mesmo da minha primeira ida à África em 2012, sempre tive o desejo de aterissar por lá. Talvez seja uma marca que restou em meu DNA , herança de meu avô negro, ou talvez seja o destino que impulsiona. Unidas as possibilidades, o caminho se desenha perfeitamente. E também paradoxalmente.

Tanzânia

A viagem é fruto de meu trabalho como correspondente para a DW aqui em Roma (lá se vão dois anos já!). Cobrir as três agências da ONU voltadas à alimentação e agricultura, nomeadamente FAO, WFP e IFAD renderam belas histórias e muitas descobertas. O convite partiu da Missão dos EUA nas Agências da ONU aqui em Roma. A proposta era acompanhar o novo embaixador numa missão de reconhecimento de alguns projetos em andamento naqueles dois países.

A agenda era muito apertada. Compromissos alla horário do metrô russo: 9h17, 10h23, etc impediam uma dedicação mais a fundo diante de tantas histórias e do tal conceito multimídia, nova (velha) espécie de jornalista que surgiu com a internet. Processar tantas informações e, ao mesmo tempo, decidir se aquilo vale um vídeo, uma sonora para rádio, uma foto ou um texto ou todos juntos nem sempre é fácil.

Contudo, a corrida contra o tempo é fantástica e intuicional. É a engrenagem que faz a máquina funcionar e que impulsiona o jornalista a produzir o máximo de conteúdo – mesmo que privo de um aprofundamento. Desde que isso não comprometa o trabalho final que deve ter devida contextualização das informações adicionadas posteriormente.

Fortunate, pequena rizicultora beneficiada pelos programas de ajuda internacional.
Fortunate, pequena rizicultora beneficiada pelos programas de ajuda internacional.

A primeira história que me despertou a atenção foi a de Fortunate Michel. Uma jovem rizicultora, divorciada, mãe de três filhos que vive também com a mãe e, às vezes, dá de comer também para o novo namorado. É o tal empoderamento da mulher que também chega à África. Com a ajuda dos programas de irrigação financiados pelo USAID (United States Agency for International Development) e o know-how do WFP, na Tanzânia dirigido pelo estadunidense que já viveu na Coreia do Norte, Richard Ragan, Fortunate viu sua produção de arroz aumentar e, finalmente, conseguiu comprar o seu próprio pedaço de terra.

Como repetidas vezes disse o embaixador David Lane durante seus speechs, é fundamental ir a campo para saber o que acontece com as decisões tomadas atrás de uma mesa. De fato, entender o porquê da agricultura ser a melhor saída para combater a fome e a pobreza ali onde ela está é radicalmente o oposto do entendimento que vem com as explicações dos relatórios oficiais – sem, de forma nenhuma, desmerecê-los.

 

 

Flora: da lavoura à universidade
Flora: da lavoura à universidade

Ainda curvado diante da imponência do Kilimanjaro e do Monte Meru, conheci um exemplo que até então só tinha lido nos tais relatórios. Ela é uma filha dentre numerosos irmãos. Flora Laanyuni por muito tempo trabalhou na lavoura de milho com o pai e o restante da família. A ajuda internacional trouxe a eles conhecimento técnico para expandir a produção e enveredar novos rumos para diversificar o plantio. A antiga lavoura de milho agora também é lavoura de tomate, pimenta e cebola. A produção cresceu assim como os rendimentos. A soma desses fatores permitiu que Flora se tornasse a primeira integrante da família a obter um diploma universitário adivinhem em que? Jornalismo! Flora hoje é repórter do Tanzanian Daima.

////

Extra: no final de uma das cerimônias de boas-vindas à equipe na Tanzânia, me deparei com esta iguaria: uma cabra inteira assada.

////

Outra hora volto para contar algumas das experiências do Malauí.