Polícia italiana se pronuncia esta manhã sobre a prisão de Pizzolato

Polícia italiana se pronuncia esta manhã sobre a prisão de Pizzolato

Henrique Pizzolato, de 61 anos, estava foragido desde novembro na Itália.

A polícia italiana vai se pronunciar oficialmente nesta quinta-feira (6) sobre a prisão do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato. Condenado pela justiça brasileira por corrupção e lavagem de dinheiro no escândalo do mensalão, ele estava foragido desde novembro. Pizzolato, que tem cidadania italiana, foi preso ontem em Maranello, na casa de um sobrinho.

Com a colaboração de Rafael Belincanta, correspondente da RFI na Itália

As declarações da polícia italiana sobre a prisão de Henrique Pizzolato aos correspondentes brasileiros na Europa serão feitas na sede do comando central dos Carabinieri em Modena, onde o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil está preso. O coronel Carlo Carrozzo, responsável pela prisão do mensaleiro, não confirma se os jornalistas poderão falar com Pizzolato.

Esclarecimentos sobre fuga

Esta será a primeira chance, desde novembro do ano passado, para esclarecer as circunstâncias da fuga de Henrique Pizzolato do Brasil, entender como o condenado chegou à Itália e quais documentos realmente usou na viagem.

A deputada ítalo-brasileira do parlamento italiano, Renata Bueno, afirmou que pedirá às autoridades italianas que Pizzolato possa cumprir sua pena no Brasil, mesmo se a Itália não extradite seus próprios cidadãos. Por enquanto, Pizzolato segue à disposição da justiça italiana. O único crime cometido por ele na Itália é o uso de documentos falsos, brasileiros e italianos, com o nome de seu irmão Celso Pizzolato, morto em 1978.

Prisão

Henrique Pizzolato, único dos 25 condenados do processo do mensalão foragido, foi detido na manhã desta quarta-feira em Maranello, no norte da Itália. No momento da detenção, ele apresentou “um passaporte brasileiro falso e duas carteiras de identidade italianas, também falsas, em nome de seu irmão falecido”, informou a polícia.

Maranello, que abriga a fábrica e o museu da Ferrari, estava na lista dos locais vigiados pela Interpol, já que Fernando Grando, sobrinho do acusado que trabalha para a montadora, vive na cidade. Na manhã desta quarta-feira a polícia viu a mulher de Pizzolato aparecer na janela da residência do sobrinho e decidiu invadir a casa.

Pizzolato está detido no comando central da polícia de Modena, a cerca de 20 quilômetros de Maranello. O governo brasileiro já avisou que fará um pedido formal de extradição.

Pizzolato foi preso na casa de sobrinho, com documentos de irmão falecido

Pizzolato foi preso na casa de sobrinho, com documentos de irmão falecido
  • Rafael Belincanta
  • Direto de Roma

Foram dois dias e uma noite de investigações para chegar ao paradeiro de Henrique Pizzolato. Na manhã desta quarta-feira, após seguir pistas da Interpol italiana, finalmente a Polícia da Itália colocou fim ao mistério da fuga de Henrique Pizzolato. O foragido estava na casa de um sobrinho em Maranello, no norte da Itália.

Henrique Pizzolato com o passaporte falso em nome de seu irmão.
Henrique Pizzolato com o passaporte falso em nome de seu irmão.

“Esperamos que o sobrinho saísse para trabalhar e vimos que, na casa alguém, se aproximou da janela. Era a esposa de Pizzolato. Decidimos realizar uma incursão e localizamos o fugitivo dentro da casa”, declarou ao Terra ‪o comandante dos policiais da província de Modena, Carlo Carrozzo. 

 

Pizzolato foi preso com um passaporte brasileiro falso e duas cartas de identidade, também falsas, em nome do seu falecido irmão Celso Pizzolato. A mulher do ex-diretor do Banco do Brasil, a arquiteta Andréa Eunice Haas, foi liberada. Ele permanece detido em Modena, à disposição da Justiça italiana.

Pizzolato teria transferido residência para Madri em 2010, diz deputada

A deputada ítalo-brasileira Renata Bueno afirmou hoje que o único questionamento oficial sobre o caso Pizzolato foi endereçado ao ministro do Interior italiano na semana passada Foto: Rafael Belincanta / Especial para Terra
A deputada ítalo-brasileira Renata Bueno afirmou hoje que o único questionamento oficial sobre o caso Pizzolato foi endereçado ao ministro do Interior italiano na semana passada

Rafael Belincanta
Direto de Roma

A deputada ítalo-brasileira Renata Bueno disse nesta segunda-feira que o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, foragido após ser condenado no julgamento do mensalão, teria transferido sua residência em 2010 para Madri. Renata afirmou, durante uma coletiva aos jornalistas brasileiros em Roma, que recebeu informações sobre uma possível emissão de um passaporte italiano em nome de Pizzolato em Madri. Por lei, todo cidadão italiano deve declarar sua residência, mesmo vivendo fora da Itália – Pizzolato tem dupla cidadania.

Confira o placar do julgamento voto a voto
Conheça o destino dos réus do mensalão
Saiba o que ocorreu no julgamento dia a dia
Mensalãopédia: conheça os personagens citados no julgamento
Mensalão Kombat: veja as ‘batalhas’ entre Barbosa e Lewandowski

“Ainda não obtivemos respostas oficiais às nossas perguntas sobre o paradeiro de Henrique Pizzolato, sobre seu passaporte italiano e se realmente ele está na Itália”, apontou Renata, recém chegada do Brasil. Segundo ela, o único questionamento oficial sobre o caso Pizzolato foi endereçado ao ministro do Interior italiano na semana passada.

As informações extraoficiais ainda dão conta de que Pizzolato estaria na companhia de sua mulher, Andrea Haas, que também teria cidadania italiana. “Não podemos permitir que o passaporte italiano seja usado para fins escusos”, ressaltou Renata Bueno, que foi eleita pelos cidadãos italianos que vivem na América do Sul.

A deputada citou ainda um esquema internacional com ramificações no Brasil e na Itália que estaria dando suporte financeiro para o foragido. A possibilidade de que interesses econômicos e políticos por detrás do sumiço de Pizzolato estivessem ditando os passos dos diplomatas brasileiros e italianos demonstra, segundo Renata, que as relações entre Brasil e Itália passam por um momento crítico, mas que os italianos estariam dispostos a rever alguns acordos bilaterais.

“A Itália desengavetou, na quinta-feira passada, depois de cinco anos, por coincidência ou não, o tratado de transferência de condenados com o Brasil. Era justamente esta minha primeira proposição como deputada na Itália”, relembrou a deputada, que não refutou o papel de ser mediadora entre os dois governos.

“A Itália deu um sinal positivo ao aprovar o tratado. O Brasil, entretanto, ainda não fez nenhum movimento para ratificar este acordo e nem para pedir, oficialmente, uma posição a Roma sobre o paradeiro de Pizzolato”, afirmou. Questionada se o caso poderia terminar em “pizza”, Renata Bueno disse que não medirá esforços para que Pizzolato cumpra a pena no Brasil.

Governo da Itália despista sobre paradeiro de Pizzolato, que fugiu do País

Governo da Itália despista sobre paradeiro de Pizzolato, que fugiu do País

http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/julgamento-do-mensalao/governo-da-italia-despista-sobre-paradeiro-de-pizzolato-que-fugiu-do-pais,9e3376c201672410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html

Ex-diretor de marketing do Banco do Brasil foi condenado a 12 anos e sete meses de prisão Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil
Em Roma, as instâncias do governo italiano que deveriam dar informações sobre a provável entrada de Henrique Pizzolato em território italiano adotaram a prática do scarica barile ou seja, ninguém assume as responsabilidades sobre as informações oficiais do paradeiro do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil. Pizzolato foi condenado por envolvimento no esquema do mensalão, mas fugiu para a Itália em setembro com o objetivo de recorrer em liberdade.

 O Ministério das Relações Exteriores da Itália afirmou que o assunto cabe ao Ministério das Relações Internas – que, por sua vez, disse caber ao setor de Segurança Pública do mesmo Ministério. Por fim, nem mesmo o Ministério da Justiça quis se manifestar sobre Pizzolato.

Na terça-feira, a deputada ítalo-brasileira Renata Bueno encaminhou um pedido ao ministro Angelino Alfano para que o Ministério das Relações Interiores se posicione sobre a suposta presença de Henrique Pizzolato na Itália. Bueno pediu também informações sobre a última emissão de passaporte.

Renata Bueno está em Curitiba, onde se reuniu com uma comissão de advogados para acertar detalhes sobre a questão legal de Pizzolato. A deputada afirmou que espera uma resposta rápida por parte do Ministério das Relações Interiores.

“Antes de analisar possibilidades, precisamos ter a certeza de que Pizzolato se encontra na Itália”, disse Bueno, que na próxima segunda-feira retorna a Roma.