Capa do Diário de Notícias do regime de Salazar
Capa do Diário de Notícias do regime de Salazar

Quarenta e cinco anos após o histórico encontro no Vaticano do Papa Paulo VI e dos líderes dos movimentos de libertação de Angola, Agostinho Neto, de Cabo Verde e Guiné Bissau, Amílcar Cabral, de Moçambique, Marcelino dos Santos – único ainda vivo -, expoentes destes países reiteraram a guinada que a reunião proporcionou à luta pela independência, como afirmou Antônio Luvualu de Carvalho, da acadêmico da delegação de Angola.

“Sabemos que o regime Salazarista, quer queira, quer não, era suportado pela Igreja Católica e, portanto, o Papa Paulo VI teve um papel fundamental para fazer uma diplomacia da paz para que se chegasse à uma consciência positiva de que, de fato, os países africanos de língua oficial portuguesa – e todos os países africanos – deveriam ser independentes em uma altura muito difícil do mundo”.

Após o encontro, o Papa Paulo VI deu a cada um dos líderes dos movimentos de independência uma cópia da encíclica Populorum Progressio – Desenvolvimento dos Povos em tradução livre para o português. Logo nas primeiras linhas o texto abordava a relação entre colonizadores e colônias.

Descolonização

“Sem dúvida, deve reconhecer-se que as potências colonizadoras se deixaram levar muitas vezes pelo próprio interesse, pelo poder ou pela glória, e a sua partida deixou, em alguns casos, uma situação econômica vulnerável”.

Fátima Viejas, representante do Gabinete Cidadania e Sociedade do MPLA de Angola destaca a mensagem da encíclica na época da independência que continua atual.

“A encíclica era um sinal de esperança, de que as pessoas deveriam viver em paz, sinal de respeito para com a pessoa humana e, ao mesmo tempo, de que cada um tem o direito de ter o mínimo de dignidade de vida, do bem estar, do direito à casa, do direito à educação, ao desenvolvimento, que era um dos conceitos bastante vincados na encíclica”.

O futuro

Livre tránsito entre os cidadãos da CPLP é meta da atual diretoria
Livre tránsito entre os cidadãos da CPLP é meta da atual diretoria

O secretário geral da CPLP, Murade Murargy, participou da Conferência no Vaticano. Ele destacou a influência do pensamento de Paulo VI na criação da Comunidade. Contudo, enumera os principais desafios a serem superados para que a CPLP faça, concretamente, parte da vida dos cidadãos.

“No dia em que para circular no espaço da CPLP não precisar mais de visto, então as pessoas vão dizer: a CPLP existe. Enquanto tu, como estudante da Guiné Bissau, disser, eu posso me matricular na universidade em Moçambique, quando eu estiver doente, eu posso me tratar no Brasil, quando eu puder fazer negócios no país que eu quiser, poder circular como desportista…Enquanto isso não acontecer, as pessoas não vão sentir de fato que a CPLP existe”.

RB/DW/Vaticano

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s