A última viagem do Costa Concórdia

A última viagem do Costa Concórdia
O navio de cruzeiros Costa Concórdia começará a ser removido da Ilha  do Giglio, na Itália.
O navio de cruzeiros Costa Concórdia começará a ser removido da Ilha do Giglio, na Itália. REUTERS/Alessandro Bianchi
Após dois anos e meio da tragédia que matou 32 pessoas, o navio de cruzeiros Costa Concordia começará a ser removido da Ilha do Giglio, na Itália. Os trabalhos para que o Concórdia seja levado até o porto de Gênova, onde será desmontado, começaram no dia 14 de julho.
*Do correspondente da RFI em Roma, Rafael Belincanta.

Desde a semana passada, quando começou a operação para trazer à tona o navio, a Defesa Civil já adiou três vezes início da derradeira viagem do Costa Concordia até o porto de Gênova, onde será demolido. “Questão de prudência compartilhada por todos os envolvidos”, alegou o chefe da Proteção Civil, Franco Gabrielli, para justificar o último adiamento, nesta terça-feira (22/07). Em setembro de 2013, o Costa Concórdia foi desencalhado numa operação que demorou 19 horas para colocar o navio outra vez em posição horizontal.

Vazamento de óleo

As autoridades italianas confirmaram a presença de “uma pequena mancha provocada por hidrocarbonetos”, cerca de 50 litros de óleo que vazaram dos tanques instalados para realinhar o navio. Contudo, não disseram tratar-se de um desastre ambiental. Apesar disso, na paradisíaca Ilha do Giglio, nestes mais de 2 anos e meio em que o Concórdia virou parte da paisagem, não faltaram críticas dos ambientalistas e dos frequentadores da Ilha sobre o impacto ambiental gerado pela longa permanência do navio dentro do mar.

Travessia até Gênova

Até Gênova, serão 370 quilômetros de viagem a uma velocidade média de 2,5 nós que deve demorar cinco dias, dependendo das condições meteorológicas. O desprendimento da plataforma artificial sobre a qual o navio estava apoiado desde 2012 foi um momento decisivo. Agora as últimas caixas que mantinham essa conexão já foram esvaziadas e o navio subiu 11 metros. Faltam, portanto, mais 4 metros para que o nível ideal para que o reboque tenha início.

A rota do Concórdia, que será puxado por dois rebocadores marítimos, também dependerá das condições meteorológicas. Os responsáveis pela operação adiantaram que preferem que o navio viaje próximo à costa italiana. Em caso de emergências, os portos de Livorno e de La Spezia poderiam servir de referência.

O processo contra o comandante Francesco Schettino continua aberto. Ele é acusado de homicídio culposo, por ter feito uma manobra arriscada e desnecessária, e por ter abandonado o navio. Novas audiências deverão ocorrer até dezembro deste ano.

Berlusconi é absolvido em processo de prostituição de menores

Ouça a reportagem

18/07/2014

A justiça da Itália absolveu nesta sexta-feira (18/07) Silvio Berlusconi no processo de prostituição de menores que ficou conhecido como “Rubygate”. A Corte de Apelação de Milão, que havia condenado o ex-chefe do governo italiano, mudou o veredicto, mas ainda não justificou sua decisão.

Rafael Belincanta, correspondente da RFI em Roma

A Corte de Apelação de Milão, que em primeira instância havia condenado Berlusconi a sete anos de prisão pelos crimes de concussão e prostituição de menores, mudou o discurso e disse que os crimes não aconteceram. Contudo, somente dentro de 90 dias os juízes apresentarão as motivações da absolvição.

A justiça considerou que não houve crime de concussão (quando um funcionário público exige vantagens em razão de seu cargo). Berlusconi era acusado de ter usado seu prestígio de chefe do governo para tirar Karima El Mahroug de uma delegacia em janeiro de 2011, após a jovem ter sido acusada de furto. O ex-líder italiano teria alegado que Ruby, como era conhecida, seria sobrinha do ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak, e que sua prisão poderia provocar um incidente diplomático.

Em relação ao crime de prostituição de menores, nas festas na mansão de Berlusconi em Arcori, que ficaram conhecidas por “bunga, bunga”, os juízes disseram que o ato “não constitui reato”. Sílvio Berlusconi recebeu a notícia na cidadezinha de Cesano Bosconi, onde presta serviço social junto a pacientes com Alzheimer. A pena foi uma alternativa a condenação do ex-primeiro-ministro a quatro anos de prisão no processo Mediaset por apropriação indébita e fraude fiscal.