Com visita ao papa, Hollande busca se aproximar de eleitorado católico

Com visita ao papa, Hollande busca se aproximar de eleitorado católico

Os dois Franciscos: o papa recebe François Hollande no Vaticano, nesta sexta-feira (24/01).

Os dois Franciscos: o papa recebe François Hollande no Vaticano, nesta sexta-feira (24/01).

REUTERS/Alessandro Bianchi
Ainda envolto nas especulações sobre seu caso amoroso com uma atriz e a crise conjugal com sua companheira Valérie Trierweiller, o presidente francês, François Hollande, foi recebido nesta sexta-feira (24/01), no Vaticano, pelo papa Francisco. Horas antes do encontro, de noite, uma bomba caseira explodiu perto de uma igreja francesa em Roma. Segundo a polícia, a explosão provocou danos em um prédio e em cinco carros estacionados. O ataque não foi reivindicado.

A imprensa italiana, segundo o correspondente da RFI em Roma, Rafael Belincanta, diz que Hollande vem a Roma tentar uma reconciliação com os eleitores católicos franceses, cada vez mais hostis às suas políticas, que incluem o casamento gay, uma legislação para tornar o aborto menos restritivo e discussão sobre a eutanásia terapêutica.

Poucos dias antes, no tradicional discurso de início de ano aos embaixadores, o papa Francisco disse que “provocava horror somente o pensamento de que existam crianças que jamais poderão ver a luz, vítimas do aborto”. Na semana passada, o papa também mandava seu apoio à “Marcha pela Vida” francesa. Na França, onde o aborto é legal desde 1981, foi aprovada recentemente uma legislação que diminui a burocracia para se conseguir a intervenção.

Em meia hora de encontro, Hollande e o papa também devem conversar sobre assuntos onde suas visões são mais convergentes, como o problema da imigração, a situação na África e a guerra na Síria.

A DW fecha Português para África

A DW fecha Português para África

(Primeiro post deste ano de 2014 é uma notícia que nenhum de nós da redação Português África da DW gostaria de publicar. A África lusófona vai a escanteio todavia há sinas de abertura para um diálogo antes do iminente fim das transmissões, em 2015.)

A direção da DW decidiu terminar as emissões em Português para África e a respectiva presença online. As mudanças terão efeito no dia 1 de janeiro de 2015.

A decisão foi anunciada pela DW num comunicado de imprensa no dia 20 de janeiro de 2014. “A DW vai eliminar os serviços em Bengali e Português para África”. Outras línguas como Francês para África terão serviços reduzidos. Está prevista “uma concentração nas ofertas em língua inglesa e em serviços em línguas regionais que têm sucesso.”

A DW pretende expandir o seu canal televisivo em inglês com as poupanças, explica o comunicado de imprensa. “Os planos preveem que a DW esteja presente no futuro com uma oferta mundial forte em inglês. Em termos regionais o foco será a Ásia – com o Afeganistão, a China e o Irão como mercados prioritários -, África, o mundo árabe, a Rússia, a América Latina, a Turquia e os países europeus em crise.”

Os membros da redação portuguesa deverão ser transferidos para outras redações, lê-se no comunicado. “A competência regional da redação Português para África deverá ser mantida com a transferência de jornalistas que devem reforçar o serviço em inglês para África. A competência pela língua portuguesa deverá ser integrada na redação europeia e eventualmente também na redação Português para o Brasil.”

Pode comentar a decisão na página da DW África no Facebook ou deixar uma mensagem por email ao afriportug@dw.de