Volatilidade dos preços dos alimentos preocupa FAO

 

DW-Africa

Milho, trigo e arroz. Estes três cereais, base da alimentação mundial, foram os produtos que mais tiveram alta nos preços até agosto deste ano. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, a FAO, a maior preocupação hoje é a volatilidade dos preços.

Há uma incerteza no mercado. Os produtores investem ou fazem financiamentos para produção esperando ter um bom preço na hora da colheita. Mas isso nem sempre acontece. Como consequência, os produtores criam dívidas e acabam produzindo menos no ano seguinte. A Chefe do Serviço de Operações de Emergência da FAO, Cristina Amaral, revela como a volatilidade do mercado incide sobre os preços dos alimentos.

Em 2010 a alta no preço dos alimentos provocou uma onda de protestos em Maputo, Moçambique.

“Essa volatilidade cria uma instalibidade, seja em nível de produção, seja em nível de expectativas de mercado. Portanto o que se está a tentar fazer hoje, por meio da FAO e a pedido dos países do G20 com outras organizações, de se criar um sistema de informação sobre mercados, que se chamará AMIS e que vai aumentar a transparência das informações sobre mercados agrícolas, esperando que isso possa contribuir para diminuir um pouco a volatilidade”.

Os estoques mundiais de alimentos estão baixos e não houve recuperação. Isso porque, apesar da produção mundial de alimentos ter crescido, o consumo também aumentou. Sobretudo de alimento de animais e de biocombustíveis. Estes últimos são um fator novo que provoca grandes consequencias no mercado mundial de alimentos.

“E que faz com que, em nível mundial, os estoques nunca sejam reestabelecidos e, portanto, cada vez que há essa oscilação, o mercado não é capaz de reagir e os preços aumentam. Esse é o fator mais preocupante, principalmente para os países mais pobres que dependem da importação, como Angola e Guiné Bissau, que apesar de terem uma boa produção nacional de arroz estão ligados aos mercados internacionais e por isso os preços domésticos serão influenciados”.

Questionada sobre uma possível repetição das revoltas em Moçambique por causa da alta no preço dos alimentos, Cristina Amaral não acredita, apesar de confirmar que os preços se estabilizaram, só que num patamar mais alto.

“A situação em Moçambique é que o Sul importa milho, portanto é deficitário em milho, e o Norte é excedentário em milho. A situação na África Austral, neste ano, é de muito boa produção. Portanto, deveria haver uma estabilidade nos preços”.

Para diminuir a dependência e a influência dos preços internacionais na África, a única saída é aumentar a produtividade em terras africanas. Cristina Amaral fala sobre o que é possível fazer a curto prazo.

“Não estamos a falar de coisas de outro mundo. Estamos a falar de sementes melhoradas, de maior controle da água e irrigação, de utilização responsável dos fertilizantes e produzir com tecnologias que sejam mais respeitadoras do meio ambiente”.

RB/DW/Roma 09-14-2011

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s