Dois meses de fome declarada: um balanço do WFP

Dois meses de fome declarada: um balanço do WFP

Dois meses depois da declaração de fome no Chifre da África, o Programa Mundial de Alimentação (PAM), responsável pela distribuição de alimentos nos campos de refugiados, onde atualmente vivem milhares de pessoas, continua seus esforços para acabar com a fome. A Coordenadora de Comunicações da Organização das Nações Unidas falou com exclusividade para a Deutsche Welle.

Emília Casella
Desde primeiro de julho, quando a fome foi declarada na Somalia,  milhares de pessoas continuam a chegar todos os dias aos campos de refugiados instalados na região. As crianças são as maiores vítimas da seca e as que precisam de maiores cuidados. Emília Casella, Coordenadora de Comunicação do Programa Mundial de Alimentos, explica o que acontece quando as famílias chegam aos campos.
“Por exemplo, quando uma família chega ao campo de refugiados de Dadaab, ela é registrada pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados. Depois disso, a família recebe alimentos para três semanas, assim como biscoitos com alto valor nutritivo que podem ser comidos na hora”.

Então por três semanas as famílias tem o que comer?

“Sim. E se elas precisarem de mais comida ou se o processo de registro demorar demais eles recebem uma nova porção de alimentos”.

Então as famílias podem ficar nos campos por mais de três semanas?
“Por causa do grande número de refugiados que chegam a Dadaab, como nós vimos as notícias de que 1.300 pessoas estavam chegando todos os dias, e isso continua acontecendo, existe uma grande pressão sobre o sistema de registros. Juntos, os campos de Dadaab formam o maior campo de refugiados hoje no mundo. Então, quando as famílias são oficialmente registradas, elas ganham um cartão para retirar alimentos todos os meses”.

 

O desafio é conseguir alimentos para os próximos seis meses. O Brasil fez sua parte, doou milho e feijão. O transporte foi pago pelos Estados Unidos, no valor de US$14,5 milhões. Os alimentos brasileiros devem chegar em setembro ao Chifre da África
Apesar de todos os esforços, os conflitos entre as milícias e o governo fizeram com que os alimentos deixassem de chegar a algumas áreas da região do Chifre da África.
“Em algumas dessas áreas, algumas organizações humanitárias foram banidas. Nós mesmos do Programa Mundial de Alimentos tivemos que sair do Sul da Somália em janeiro do ano passado por causa de ameaças contra nossos colaboradores. Sem falar nas taxas não-oficiais que quiseram nos impor e também que não empregássemos mulheres na nossa organização. Tudo isso, junto com a insegurança na região tornou nosso trabalho quase impossível. Desde 2008, o Programa Mundial de Alimentos teve 14 agentes mortos na Somália que, provavelmente é o lugar mais perigoso do mundo para se trabalhar”.

Não há previsão para que os trabalhos humanitários terminem no Corno da África. Contudo, Casella aponta para uma situação positiva nesse cenário de fome e falta de esperança no futuro.

“Nós estamos trabalhando em programas de irrigação, programa para um melhor aproveitamento dos recursos naturais. Assim, os agricultores podem se recuperar do choque da seca prolongada. Nós já estávamos desenvolvendo estes projetos antes que a fome fosse declarada. Fizemos isso na Etiópia, em partes do Quênia e Uganda e bem sabemos que nessas áreas a fome não foi declarada. Infelizmente, em algumas partes da Somália, nós não pudemos trabalhar junto com os agricultores do mesmo modo, de forma a ajuda-los a melhorar as técnicas e aumentar a produtividade. E por causa disso, a situação na Somália piorou”.

RB ROMA DW 08-31-11 
The interview’s transcription.
***
Which kind of difficulties WFP has been facing on the food distribution in HOA?
I think the first challenge we have face is simply raise enough money to feed 11 million people, more than 11 million people for the coming 6 months. Our program is aiming to feed people in 5 countries of the HOA: Kenya, Ethiopia, Somalia, Uganda and Gjibuti. So, it’s a large logistic operation to reach more than 11 million people in 5 countries through a vast area and acquiring food from many parts of the world to bring it to one place. So, these are the biggest challenges we’ve been facing so far. Individually, in certain areas the challenge have been the large influx of people. We are helping, for example, in refugee camps on the board with Ethiopia and also near the boarder inside Kenya, there’s a large camp called Dadaab, its a series of camps in Kenya, actually the largest in the world, almost half million of people are living there, are mostly somalis, and we have a large influx of people arriving to that camp everyday, more than a thousand people. It’s a huge challenge, not just for our organization, but also for UNHCR and all of the charities that are working there trying to provide food, water, medical attention to all of the people arriving.
What about the milicias?
The important thing to realize is that’s a huge challenge in Somalia and Somalia is a country that has been for 2 decades now in a lot of security volatility situation. This drought is affecting people all over the HOA in 5 countries, so I think it’s important that people not forget that this is really affection millions of people in a vast area. Specifically in Somalia, in the Southern areas, there has been difficulties for humanitarian organizations to reach people. In some of these areas some humanitarian organizations have been banned, our own organization polled out of Southern Somalia in january of 2010 because the treats against our staff and the demands to pay unofficial taxes and demands that we employe no women in our organization and, combined these treats and the volatility of area made it very difficult to us to work. WFP has lost 14 staff members since 2008. It’s a very dangerous place to work, probably the most dangerous place in the world. So, this is a challenge, but never the last. WFP is in Somalia we are working in the North and the Central areas, in Mogadiscio and we are doing our best to support the humanitarian effort in whatever areas of the country that where people can be reached.
Is WFP responsible on food distribution at refugee camps?
Yes, for the refugee camps, the ones that are in neighbor countries to Somalia we do supply the food, but it is distributed together with charitable organizations, and also the UNHCR which administers refugee camps. So, it’s a combined effort between a lot of different organizations. But WFP is providing the food, bringing tens of thousands of tons of food to the camps and also the local communities near the camps, the citizens who live in the areas, badly affected by the drought, the lost livestocks, the lost their crops, and they need food assistance too.
Which’s the role of partner organizations?
We couldn’t work without our partner organizations. Not only in the HOA but all over the world. WFP works together with 3.000 NGO’s in the 75 countries that we work worldwide.
Our own organization has about 12.000 employes, more than 90% of then in the field. But that’s only 12.000 people and we are feeding more than 9 million people every year in 75 countries. So we have to work with partner organizations. We delivery the food to the locations and then we work together with local non-governmental organizations, community groups, the red cross and the red crescent, and also even governments that work together with us to distribute the food to the populations.
When the work will end?
We can’t stop droughts. There always going to be, if not in the HOA, elsewhere is gonna be drought. What we can stop is famine. It think that famine is a preventable situation and we are working in fact in countries all over the world, including in the HOA, on sustainable solutions so that farmers can protect their crops and their livestock. We are working in programs for irrigation, programs for better use of resources, so farmers can bounce back from these kind of shocks and, in fact, we’ve already been doing programs in Ethiopia, parts of Kenya, parts of Uganda, and you notice that this areas do not have the famine declaration that has been made in Somalia. Unfortunately, in areas of Somalia we’ve not been able to work with farmers the same way to help then to improve the farmer techniques and improve their productivity. And because of that we really feel this has made the situation in Somalia worst. Where we’ve worked together with the Ethiopian government, the Kenyan government, with the Uganda government on programs designed to help their farmers to be ready when a shock of a drought comes and they still badly affected but they have unreached the famine levels that we see in Somalia. So, its very difficult to say that when we are going to end hunger once for all in the world. The natural disasters? We don’t the ability to stop floods, or droughts or earthquakes or wars, at least our own organization. But we can help people to protect themselves from disasters.
When a family get into the refugee camp what happens there?
For example, when a family arrives to Dadaab camp, in Kenya, they will be registered by UNHCR. Before that process, these people will receive three-week ration of food, as well as a special one-day ration of high energy biscuit fortified with vitamins and minerals. These biscuits don’t have to be cook, so they can eat them right away.
So for 3 weeks they have food?
Yes. And if they need more food or if the registration process takes longer than three weeks then they will receive a renewed ration of food again.
So, they can stay for more than 3 weeks?
Because of the huge in-flux of refugees to Dadaab, we’ve seen reports of 1.300 people arriving a day and this is going on now. So this level of in-flux people is a huge pressure on the registration system for any one camp. Dadaab camps together are the largest refugge camp in the world, so registration can take some time. When they are officially registered as refugees they have a ration card and they get the regular monthly distribution.
Anúncios

“Senna: sem medo, sem limite, sem igual”

“Senna: sem medo, sem limite, sem igual”

– Eu estava lá naquele dia. De repente, tudo era silêncio.

De fato, hoje no autódromo Enzo e Dino Ferrari, na cidade de Ímola, no Norte da Itália, nem sinal do ronco dos motores. Os áureos anos do GP de San Marino, entre 1981 e 2006, ficaram na memória – principalmente o de 1994.

– Todos sabiam que algo grave tinha acontecido. Eu estava na tribuna e, de repente, vi o Prost parar e sair do carro balançando a cabeça. Naquele tempo não tinha celular, internet, demoramos até saber do acidente de Senna, conta Tomaso Rebbechi que na época tinha 17 anos.

Hoje ele tem um pequeno hotel fazenda numa cidade próxima a Ímola, recebe turistas de todo o mundo e conta que muitos ainda visitam o autódromo, mesmo sem as corridas.

Ao chegar ao autódromo, logo se vê uma grande foto de Ayrton, com o macacão da Rothmans-Willians: a tribuna em que Tomaso estava leva agora o nome do tricampeão. Ali, o último herói nacional venceu três vezes com seu McLaren, em 1988, 1989 e 1991. Apesar de parecer ter parado no tempo, o circuito tem um relógio que ainda funciona. Ímola ainda realiza corridas, principalmente de moto.

Na Itália, domingo ainda é, tradicionalmente, dia de acompanhar a Fórmula 1 na TV. No Corriere dello Sport salta a vista o nome Senna. É o piloto Bruno Senna, que depois de 17 anos da morte de seu tio, faz com que as lembranças de Ayrton venham ainda mais a tona. É bom voltar a ver um Senna correr, diz um jovem que está no bar do circuito. Enquanto isso, um dos funcionários explica como se faz para chegar ao local onde existia a curva Tamburello.

Na área interna do circuito, está o Parco Acque Minerali. Caminhando pelas trilhas, ouve-se de repente alguns brasileiros. É um grupo que foi conhecer o lugar onde, ainda hoje, pessoas de todo o mundo prestam suas homenagens ao piloto. O caminho leva ao lado oposto daquele onde Senna não venceu sua última curva. O muro da Tamburello não existe mais, tampouco o antigo traçado, que hoje é de um “S”. Mas as fitas, flores, bandeiras e outras lembranças indicam que foi ali que Senna morreu. Um pouco mais adiante, o encontro com Ayrton.

O piloto foi imortalizado numa estátua de bronze, na qual foi retratado com expressão triste, cabisbaixa, como se pensasse em algo que jamais se pudesse acontecer.

– Ninguém jamais vai tocar meu coração como você tocou, saudades campeão, diz a mensagem em italiano escrita na base da estátua, ou melhor, obra de arte.

Ela foi feita pelo escultor italiano Stefano Pierotti e inaugurada em 1997. Além da imagem principal de Senna, nas laterais existem outras formas. Numa Ayrton é visto de costas, carregando o capacete, como se estivesse caminhando para o lado da vida eterna. Em outra parte, Senna é retratado pilotando, o seu fórmula 1 aparece numa pista invisível e, ainda, vê-se a imagem do campeão levantando o troféu da corrida. Por fim, assim como Senna, seu fórmula 1 foi esculpido como se estivesse passando para o outro lado, somente os aerofólios ficaram de fora junto com o capacete, que parece estar flutuando. As flores de plástico, colocadas nas mãos de Senna, desafiam o tempo.

Em frente, no alambrado da pista, mais homenagens. Uma bandeira do Brasil, recados de fãs russos e alemães, fotos de Ayrton e mensagens de saudade. Recentemente, parte de um cartaz de divulgação do documentário “Senna” também foi pendurado. Lá está escrito: “Senna: sem medo, sem limite, sem igual”.

Rafael Belincanta, Ímola, 29 agosto 2011.

Israel-Gaza: Jihad islâmica anuncia cessar-fogo

As facções da Jihad islâmica da Faixa de Gaza anunciaram um cessar-fogo unilateral a partir da meia-noite desta sexta-feira. A aceitação da trégua por parte dos grupos da Jihad e do Hamas teria sido conseguida por meio da junta militar que comanda o Egito desde março. Entretanto, para o exército israelense o alerta ainda é alto e os militares de Israel estão prontos a retomar os bombardeios na Faixa de Gaza caso os ataques voltem acontecer. Sobre as razões que levaram o Hamas a proclamar a trégua, a Rádio Vaticano conversou com Antonio Ferrari, enviado especial à região em conflito do jornal Corriere della Sera.

Ataque em Eliat marcou a recente retomada dos conflitos

“É o resultado de um alarme: seja para o Egito, seja para o Hamas. De fato se recordarmos o recente atentado em Eliat, com os extremistas que vieram do Monte Sinai, uma área que até pouco tempo estava desmilitarizada, poderemos encontrar uma possível explicação: o Egito – que hoje vive uma realidade um pouco mais confusa de quando Mubarak estava no poder – agora governado por um junta militar, que deve preparar o país para as eleições, não pode tolerar o forte deterioramento da crise palestino-israelense. Por outro lado, o Hamas deve confirmar sua posição central a respeito aos grupos da Jihad, propondo o cessar-fogo unilateral”.

Apesar dos conflitos, os palestinos continuam elaborando o projeto que será apresentado às Nações Unidas solicitando o reconhecimento como Estado. No Conselho de Segurança, a China disse não se opor ao eventual desenvolvimento do Estado palestino.

“Não se opor é uma coisa, votar a favor é uma outra. Provavelmente a China não deve ser opor e poderia também votar a favor, mas a China é somente um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança. Eu creio que as pressões, outra vez, cairão sobre os próprios palestinos. Abu Mazen já declarou mais de uma vez: ‘quero resultados, porque se não tenho resultados é claro e evidente que terei pouca legitimidade diante do meu povo e isso justamente no momento em que estão sendo reconstruídas as bases para um acordo entre a Autoridade Nacional Palestina (Anp), os laicos e os fundamentalistas’. Se não existe qualquer resultado é claro que o risco ou a possibilidade de proceder com a autoproclamação é forte”.

RB/SCV/RV 08/26/11

UE envia à ONU esboço de retaliações contra Damasco


A repressão continua na Síria. Nas últimas 24 horas ao menos 5 pessoas foram mortas. Por outro lado, a União Europeia apresentou ao Conselho de Segurança da ONU alguns ítens em retaliação contra Damasco. Enquanto isso, os grupos de oposição sírios se afastam do Conselho Nacional, criado para coordenar a revolta. Ainda há quem diga que a “onda líbia” possa chegar também a Damasco. Para os manifestantes a esperança é que depois que Gaddafi sair do poder, possa chegar a vez de Assad. Ideia que não é compartilhada pelo professor da Universidade de Palermo, especialista em História dos Países Islâmicos, Antonio Pellitteri.

"Síria não tem petróleo, não interessa ao Ocidente".

“Não acredito muito nessa reviravolta. A Síria não é a Líbia, no contexto do seu papel regional, pela sua história e pela sua cultura. Penso que o último discurso de Bashar al-Assad sobre a criação de uma nova Constituição seja um fato positivo. Falei com alguns amigos em Damasco, que receberam muito bem essa iniciativa do presidente. Não acredito que possa acontecer uma reviravolta por causa da situação na Líbia”.

Pellitteri acredita que no momento, apesar da UE ter enviado às Nações Unidas um esboço de medidas contra a Síria, a comunidade internacional esteja mais preocupada com a situação na Líbia.

“O Ocidente olha para a Síria de modo diverso. Quero dizer que nesse caso o interesse não é econômico mas sim estritamente político, relativo a posição da Síria na região, às relações com Israel e Palestina e a tudo mais que diz respeito àquela região. Não sei se vão continuar a analisar a questão síria como a velha posição do Ocidente ou se, ao invés, o Ocidente vai procurar favorecer um acordo interno no país. Um acordo que teria como base uma nova sistematização da área de modo mais equilibrado”.

Outra diferença entre Líbia e Síria é que o Tribunal de Haia emitiu contra Gaddafi um mandado de prisão por crimes contra a humanidade, o que até agora não aconteceu com Assad. Até agora, de acordo com a ONU, foram registradas as mortes de mais de 2 mil civis sírios.

RB/RV/SCV 08/24/11

FAO: Moçambique deve mudar forma de plantio para evitar a fome; UNICEF: desnutrição ameaça 44% das crianças moçambicanas

Esta semana duas importantes agências das Nações Unidas divulgaram relatórios sobre dois graves problemas enfrentados por Moçambique: a desnutrição infantil e a insegurança alimentar. A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) revelou que o número de pessoas que passam fome aumentou este ano. Já o Fundo para a Infância aponta alta na mortalidade infantil.

Agricultura em Moçambique: maioria à subsistência

De acordo com o UNICEF, no primeiro semestre de 2010, pelo menos 700 crianças com menos de cinco anos morreram em consequência da desnutrição em Moçambique. Além disso, cerca de 44% das 4 milhões de crianças dessa faixa etária estão ameaçadas pela desnutrição crônica. De acordo com o governo moçambicano, a intenção é diminuir esses números pela metade até 2020.

Se a desnutrição infantil se agrava com a insegurança alimentar, de acordo com a FAO a situação deve ficar ainda mais complicada, e não somente para as crianças. O especialista em Agricultura de Conservação da FAO em Moçambique, Yogendra Singh, explica que o excesso de chuvas em algumas províncias e a seca em outras regiões comprometeram a produção.

“A situação está mais grave nas zonas centro e sul de Moçambique. As culturas que foram plantadas na safra 2010/2011 foram perdidas ou tiveram fraca produção. Isso afetou por volta de 350 mil famílias que vão passar fome”.

A FAO já deu início a um programa de financiamento interno para ajudar os agricultores, que serão treinados para realizar algumas mudanças importantes no plantio.

“Nós não damos dinheiro, damos sementes e insumos. Então nós vamos comprar estas sementes de ciclo curto, de cultura de milho, milheto, sorgo e também vamos treinar os extensionistas para fazer esse novo pacote ecológico de ciclo, das variedades de ciclo curto destas culturas. E eles vão treinar os camponeses para ajustarem seu calendário agrícola, no sentido de plantar quando cair chuva na primeira semana de outro, o que deve garantir colheita até janeiro”.

O engenheiro Feliciano Mazuzi, do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique, fala como o governo está enfrentando esta situação.

“A ideia de fato é reduzir paulatinamente substituindo as variedades locais que são pouco produtivas pelas melhoradas e adaptadas ao cultivo. O que o Governo tem feito nos últimos anos é subsidiar as sementes, essa é a única maneira de poder atender a maioria das pessoas que dependem essencialmente da agricultura”.

RB/ROMA/DW

Creta para não-iniciados

Creta para não-iniciados

Férias memoráveis numa ilha perdida. Lá o Mediterrâneo é Caribe com águas azuis-turquesa e Atlântico quando bravio nas praias abertas. Creta, Grécia. καλωσόρισμα!

Lagoa Azul? Não! Balos Bay

__#__ Agosto, 2011. Ponto de chegada. Aeroporto de Heraklion, capital da ilha. De lá, onibus até aos apartamentos Irilena, na cidade de Stalida. Viagem de aproximadamente 40 min por 4,70 euros. Irina, uma das filhas, nos recebeu. Ao longo da estadia se demonstrou bastante solicita e fala muito bem o inglês. Quando chegamos ficamos preocupados. Explico. Na alta-temporada a demanda por carros é maior que a oferta. Não se assuste com isso e nem perca tempo reservando um carro. Nas cidades sempre há um rent por preços negociáveis. A ilha tem uma malha rodoviária considerável, com estradas pitorescas e extremamente acentuadas. As auto-estradas são boas e há sinalização em inglês na maioria delas. Infelizmente, para rodar a ilha é preciso um carro, visto que os ônibus são poucos e limitam muito. Carro alugado, hora de decidir os roteiros.

A ilha é consideravelmente grande. Os lugares mais lindos (selvagens) estão distantes do centro-norte. Nossa primeira escolha foi Plaka. Praia linda, águas cristalinas e quentinhas. Ficamos bem em frente a ilha de Spinalonga. Boatos naquela semana davam conta de que Lady Gaga havia apenas comprado uma Villa em Plaka. Beata lei! Depois do almoço, ali mesmo, fomos até uma pseudo-ilha. Praia de areias brancas. Ao cruzar o costão, à direita, outra praia deserta e alguns adeptos do naturismo (eu). Caminhando à direita, se avistam umas ruínas e, ao fundo, uma caverna esculpida pela ação dos ventos. Nada estava nos mapas: desbrave (com cautela). Na volta, aperitivo na simpática Agios Nikolaos. Não lembro direito, mas não demorou muito para ir e voltar.

Mochlos: come-se bem e de quebra um por-do-sol digno de cinema

Dia seguinte: Vai. A publicidade é de ser a única praia da Europa com palmeiras naturais a Nordeste. Demoramos um pouco mais para chegar, atravessamos uma estrada cheia de precipícios bastante perigosa de onde se via a construção de uma nova rodovia cheia de pontes longas e viadutos que cruzavam profundos vales. A praia, bem, é linda, porém o vento estava muito forte. Acabamos por nos divertir mais na praia ao lado direito do Costão. Areias de micro-pedras em que ser “enterrado na areia” é terapêutico. Agora me lembrei que na volta paramos numa cidadezinha à beira mar, onde por consenso tivemos o melhor jantar das férias. Na auto-estrada 90, quando ver a placa Mochlos, não exite, desca e aproveite para comer peixe fresco num dos restaurantes à beira mar.

Piscina natural delicinha em Chrissi Island

Pra quem não curte dormir com ar-condicionado (eu) a dica é: leve tudo contra mosquitos. Os bichos à noite são vorazes. Com o calor nordestino que faz em Creta no Verão, inevitável dormir com a janela aberta. Um ventilador pode ajudar a espantar os indesejáveis insetos. A kombi da alegria vai partir: destino – Ilha de Chrissis. Cruzamos a ilha verso Sul. Uma embarcação e depois de 50 minutos: paraíso número ( ). A praia principal chama-se Golden Beach, mas como estávamos traumatizados depois de tanto vento em Vai, decidimos não ficar lá. Optamos por ficar nas cadeiras na praia onde os barcos atracam. Lá, as pedras são perigosas. Eu que o diga. Cai e me cortei, nada grave, mas serve o alerta. Ah, por favor, leve ou compre por 8 euros seu snorkel a todas as praias. A vida subáquatica é impressionante. A Ilha é isolada, não tem água doce. Na saída do barco eles vendem 1 litro por 1 euro, compre 2, 3 ou 4. Não esqueça, uma ilha não tem coleta de lixo, leve de volta tudo, inclusive as guimbas. Bom, a ilha de Chrissis, à esquerda da praia do atracadouro revela agradáveis surpresas, tais como piscinas naturais e praias desertas, já que todos os turistas ao saírem do barco vão em fila indiana até Golden Beach. O passeio de barco é sensacional, aproveite a vista. Se puder, viaje em cima, na proa. Inevitavelmente o capitão vai dar uma “buzinada” no meio do trajeto…De volta pra casa, após banho tomado, fomos comemorar o aniversário do Manu em Mochos. Cidadezinha típica. Na praça, o restaurante onde jantamos nos fez passar mal de tantas delícias.

Vrishkásana ao por-do-sol em Matala

Café da manhã nos apês, yogurt grego com mel. Não deixe de comer. Energia antes de seguir para Matala, ao Sul. A praia hippie. A estrada é longa e sinuosa mas vale muito à pena. A história conta que a praia foi escolhida pelos hippies como refúgio. As antigas tumbas romanas serviam de casa e viva! Paz e amor. Nada de cannabis: os hippies de hoje foram sinceros. Alguns plantam a danada, mas nada de comércio. Para degustá-la, faça amizade ou fique à noite para curtir umas bandas ao ar livre. Roooooooots. Não deixe de fazer um aperitivo depois da praia. Como disse, Matala é ao Sul, porém, a Enseada se vira a Oeste, o que garante o espetáculo. Quando o sol se põe, não se esqueça de bater palmas e agradecer…Aproveite a noite para jantar nos restaurantes do canto esquerdo. A vista da praia com a iluminação que se projeta nas tumbas é sensacional.

Welcome to paradise!

7h da manhã já estavámos na estrada. Fizemos uma pequena mala já que esta noite não voltaríamos. Não tínhamos onde dormir, mas isso só mais tarde gerou tensão e foi preciso a intercessão de Zeus. Destino: Balos Bay. Desde quando planejamos a trip era onde queria ter ido. Extremo noroeste da ilha, estrada tranquila, até dormi no trajeto. A última cidade antes de Balos e Kissamos. De lá pode-se pegar um barco que leva à Balos ou, como nós, siga de carro pela estrada de chão por 12 infindáveis quilômetros. O visual é fantástico mas atenção às cabras na estrada! Paga-se 1 euro para entrar na Reserva. Mais adiante, fim da linha para quatro rodas. Há um bar que vende de tudo no estacionamento. Compre água. Um quilômetro de trilha e antes da metade, o visual do paraíso ( ): Balos Bay. Pra descer todo o santo ajuda, mas pra subir a coisa muda. Mas não pense na volta: carpe diem! Balos Bay pra mim foi o melhor dessas férias.

Knossos: chato pra caralho. Ok, foi o berço da civilização europeia.

Depois de uma água, destino Elafonisi, a praia das areias cor-de-rosa. Do Extremo Noroeste para o Extremo Sudoeste. Percebemos que essa parte da ilha é mais verde, enquanto o sol poente nos acompanhava pela estradinha entre montanhas e florestas e bosques de oliveiras. Começamos a parar para encontrar onde dormir e a única coisa que ouvimos era: lotado! Chegamos a Elafonisi já era noite. No mapa, a cidade aparece como cidade mesmo, mas não passa de uma vila com meia dúzia de albergues. Resumo, no meio da noite já cogitavámos dormir na praia até que, paramos para fazer a volta na garagem de uma casa. Ao ver os farois, o cidadão saiu para ver quem era: 7 elementos com cara de tacho perguntando sobre algum posto livre. Como o cara só falava grego, chamou o filho que era CORRETOR DE IMÓVEIS. Resumo, salvos por Zeus, na calada da noite descolamos um hotel barato e ainda jantar e café da manhã por 30 euros cada. Tudo bem que o quarto era um inferno e não preguei os olhos. Dormi na varanda, ao sabor dos ventos e com o som do mar-oceano e, de brinde, um espetáculo de estrelas-cadentes no céu de dez de agosto. Eu e um simpático roedor que também decidiu fugir do calor da toca aquela noite. A trip vai chegando ao fim, último dia de praia. Elafonisi…praia deslumbrante, da moda, mas com uma ilha colada que se pode atingir a pé. Do lado de lá da ilha, mais praias selvagens e, na última delas, adeus sunga! Viva o naturismo! 🙂  E pra ninguém dizer que somos aculturados, antes de voltar, Palácio de Knossos, 6 euros e o minotauro. O labirinto era mito. Não curti muito, na noite anterior comi algo que não me fez bem. Caguei pra Knossos.

Crise na Itália: análise da semana

Estreia na Radio França Internacional.

Esta semana está terminando com os mercados da zona do euro sob forte turbulência, diante da ameaça da Espanha e da Itália não terem meios de honrar suas dívidas. O governo italiano adotou em meados de junho um plano de austeridade para alcançar o equilíbrio orçamentário em 2014, mas os investidores temem um contágio da crise devido à sua enorme dívida pública em relação ao PIB, que é de quase 120%, perdendo só para a Grécia. O correspondente de RFI em Roma, Rafael Belincanta, analisa a fragilidade econômica do país e a insatisfação geral com o governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi.